Pressionada, Petrobras já discute com governo reduzir preço dos combustíveis


Valor do barril de petróleo caiu no último mês, mas dólar subiu

PORTO VELHO, RO - Menos de três semanas depois de Caio Paes de Andrade assumir a presidência da Petrobras, a estatal discute com o governo a possibilidade de redução do preço dos combustíveis, especialmente o da gasolina, de acordo com integrantes da gestão Jair Bolsonaro e membros da empresa.

A decisão de reduzir ou aumentar o preço dos combustíveis é da Petrobras, por meio de sua diretoria. Mas as conversas entre a diretoria, o conselho da empresa e o governo são comuns. Há um mês, por exemplo, o governo tentou segurar um reajuste iminente, mas não conseguiu.

A queda acentuada no preço do barril de petróleo, que passou a rodar na casa de US$ 100 nos últimos dias, é o principal fator de pressão sobre a estatal. Por outro lado, o dólar tem subido. Esses dois parâmetros são usados pela Petrobras como critérios para reajustar os preços dos combustíveis.

A associação de importadores de combustíveis (Abicom) estima que a gasolina poderia cair até R$ 0,31 por litro para voltar à paridade internacional. De acordo com a entidade, os preços internos da gasolina estão, em média, 8% maiores que lá fora. O preço do diesel está equiparado.

Petróleo no último mês
Temor de recessão global derrubou preços
Preço (US$)13/06/202214/06/202215/06/202216/06/202217/06/202220/06/202221/06/202222/06/202223/06/202224/06/202227/06/202228/06/202229/06/202230/06/202201/07/202204/07/202205/07/202206/07/202207/07/202208/07/202210/07/202211/07/202212/07/202213/07/202214/07/202295100105110115120125
11/07/2022
 Preço (US$): 106,35
Fonte: Administração de Informações de Energia dos EUA (EAI)


Por outro lado, técnicos da empresa afirmam que a Petrobras só toma decisões de anunciar um reajuste após haver uma diferença consolidada de dias entre os mercados interno e externo.


A Petrobras aumentou o preço dos combustíveis há cerca de um mês, desencadeando uma reação de Brasília, capitaneada por Bolsonaro e pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).


O principal efeito disso foi a saída — que já estava prevista, mas que acabou acelerada — de José Mauro Coelho da presidência da empresa. Ele foi o terceiro presidente da Petrobras do governo Bolsonaro que saiu por conta da alta de preços. Após o anúncio de que havia sido demitido, o então presidente ficou mais de um mês no posto até renunciar, em 20 de junho.


Combustíveis: Compra de diesel russo planejada por Bolsonaro pode trocar uma crise pela outra
Com Comperj parado: Petrobras adia entrada em operação de gasoduto do pré-sal




Em seu lugar, entrou Caio Andrade, ex-secretário do ministro da Economia, Paulo Guedes. Desde o início do ano, a Petrobras aumentou três vezes o preço dos combustíveis. Andrade chegou na estatal com a missão de segurar e reduzir os preços.

O reajuste feito pela Petrobras há um mês gerou reações como ameça de criação de CPI para investigar diretores e aumento da tributação sobre petroleiras. Deputados chegaram a defender uma mudança na Lei das Estatais para facilitar a indicações para diretores e para a presidência da empresa e queriam que o governo federal, mas a ideia não foi para frente diante da resistência da equipe econômica.


Essa pressão arrefeceu, mas ainda não se encerrou. Integrantes do governo e do Congresso cobram mudanças na política interna e na organização da estatal que teriam sido prometidas pelo presidente da empresa e pelo ministro de Minas e Energia. Adolfo Sachsida. Os políticos criticam a suposta velocidade com que a Petrobras sobe os preços e dizem que isso não é observado para reduzir os valores.

Os preços dos combustíveis são uma dor de cabeça recorrente para Bolsonaro. Ele conseguiu aprovar no Congresso e já está em vigor um teto (de 17% ou 18%) para o ICMS (imposto estadual) cobrado sobre os combustíveis e também sobre a energia elétrica e o transporte público. Também zerou o PIS/Cofins (imposto federal) sobre a gasolina e o diesel. Isso já surgiu efeito nas bombas.

Na semana passada, o banco suíço UBS divulgou um relatório a clientes em que afirma que a Petrobras poderá, em breve, reduzir os preços dos combustíveis no Brasil se a tendência de queda do barril de petróleo continuar.

“Se os preços (do petróleo) permanecerem nessa tendência, acreditamos que a Petrobras poderá reduzir os preços em breve”, citam os analistas.

No início de julho, o barril do tipo brent no mercado internacional saiu de US$ 118 há um mês para cerca de US$ 100 nesta semana.


Fonte: O Globo
Pressionada, Petrobras já discute com governo reduzir preço dos combustíveis Pressionada, Petrobras já discute com governo reduzir preço dos combustíveis Reviewed by REDAÇÃO on julho 15, 2022 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.