China envia primeiro astronauta civil para a estação espacial Tiangon

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

China envia primeiro astronauta civil para a estação espacial Tiangon


Viagem faz parte de projeto de enviar tripulante chinês à Lua até 2030

Porto Velho, RO - A China enviou, na madrugada desta terça-feira (30), três novos astronautas para a sua estação espacial Tiangong, incluindo, pela primeira vez, um astronauta civil, procurando reforçar a posição diante dos Estados Unidos e da Rússia.

O trio partiu a bordo de um foguetão, do centro de lançamento de Jiuquan, no deserto de Gobi, no Noroeste do país, segundo a agência espacial chinesa responsável pelos voos espaciais tripulados (CMSA).

A viagem faz parte da estratégia de enviar um astronauta chinês à Lua até 2030, um dos principais objetivos do programa espacial no qual o país já investiu bilhões de euros.

O comandante da missão, o veterano Jing Haipeng (56), realiza o seu quarto voo espacial e é acompanhado pelo engenheiro Zhu Yangzhu e por Gui Haichao, professor e primeiro civil chinês no espaço, ambos com 36 anos.

Especialista em ciências e engenharia espaciais, Haichao será o responsável pelas experiências na estação e não vem das Forças Armadas, como sempre ocorreu até agora.

Representantes do programa espacial chinês garantiram que a mudança de requisitos se deve "à nova fase em que entrou a Estação Espacial de Tiangong, durante a qual vai abrigar grande número de experiências científicas".

A estação fará pesquisas sobre o cultivo de plantas, a criação de peixes, testes de comportamento de fluidos em gravidade zero e estudos de células animais e vegetais, bem como a instalação do relógio atômico mais preciso de sempre.

Os três astronautas são os primeiros a chegar a Tiangong, onde vão passar os próximos cinco meses, depois da conclusão da construção da estação espacial chinesa, no final de 2022.

Trabalho já feito

O vice-diretor da CMSA, Lin Xiqiang, disse nessa segunda-feira que o país "espera e dá as boas-vindas" à participação de astronautas estrangeiros em missões chinesas.

A China já tem atualmente projetos de cooperação com a Agência Espacial Europeia e o Gabinete das Nações Unidas para os Assuntos Espaciais Exteriores, que podem aumentar, tendo em vista que a Tiangong pode em breve tornar-se a única estação espacial operacional.

Em 2019, o país pousou uma nave espacial no lado mais distante da Lua, tornando-se a primeira nação do mundo a fazê-lo, e em 2020, trouxe de volta amostras lunares e finalizou o Beidou, o seu sistema de navegação por satélite.

Em 2021, a China aterrissou um pequeno robô em Marte, e o próximo passo é garantir o lançamento de duas missões espaciais tripuladas por ano, segundo a CMSA.

A próxima será a Shenzhou-17, cujo lançamento está previsto para outubro.

O país quer ainda lançar em 2030 a missão espacial Tianwen-3, para recolher e trazer de volta à Terra amostras do solo de Marte, disse, no início do mês, o cientista português André Antunes, responsável pela unidade de astrobiologia do Laboratório de Referência do Estado para a Ciência Lunar e Planetária da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST).

Fonte: Agência Brasil

Postar um comentário

0 Comentários