Forças de Israel anunciam morte de líder da Jihad Islâmica em Gaza

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Forças de Israel anunciam morte de líder da Jihad Islâmica em Gaza

Abu Fanounah é acusado de comandar operações de guerra psicológica

Porto Velho, RO - As forças israelenses mantêm os ataques terrestres, marítimos e aéreos em Gaza nas últimas horas e anunciam ter matado Wael Abu Fanounah, um alto membro da Jihad Islâmica nessa quinta-feira (18).

"As tropas terrestres, aéreas e navais do Exército israelense executaram atividades operacionais conjuntas" na Faixa de Gaza, disse o porta-voz militar.

Wael Abu Fanounah, membro da Jihad Islâmica, foi eliminado durante ataque aéreo de precisão conduzido pelo Comando Sul, acrescentou.

As forças israelenses acusam Abu Fanounah de ter sido chefe adjunto das operações de guerra psicológica da Jihad Islâmica e de ter "desempenhado vários cargos nas fileiras do grupo terrorista". Ele foi adjunto do comandante da Jihad Islâmica na região norte da Faixa de Gaza, Khalil Bahtin".

"Abu Fanounah era responsável pela publicação de vídeos de ataques com foguetes de artilharia da Jihad Islâmica contra Israel, e pela criação e distribuição de documentos sobre reféns israelenses, como parte da guerra psicológica contra a população", afirma o Exército de Israel.

A guerra entre Israel e o Hamas começou em 7 de outubro do ano passado, após ataque do grupo islâmico que matou 1.200 pessoas em território israelita e fez pelo menos 240 reféns.

Desde então, a ofensiva militar israelense em Gaza causou mais de 24 mil mortes, de acordo com dados do Hamas, movimento que governa o enclave.

A crise humanitária em Gaza é agravada pela escassez de alimentos, de água potável e de combustível.

A maior parte das instalações médicas está neutralizada. A falta de higiene e a superlotação espalham epidemias entre os civis.

O número de pessoas deslocadas internamente se aproxima dos 2 milhões, mais de 1 milhão das quais concentradas na zona de Rafah, no sul.

Cerca de 800 mil habitantes de Gaza permanecem no norte, quase sem acesso a alimentos ou a assistência básica, o que levou o Crescente Vermelho Palestino a apelar à criação de "um corredor humanitário".

Fonte: AG/BR

Postar um comentário

0 Comentários