Laudos descartam violência na morte de jovem após encontro com ex-jogador do Corinthians

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Laudos descartam violência na morte de jovem após encontro com ex-jogador do Corinthians

Os laudos também mostraram que a jovem não apresentava fraturas

Porto Velho, RO - As primeiras investigações da Polícia Civil de São Paulo sobre a morte de Lívia Gabriele após ter relações sexuais com Dimas Cândido de Oliveira Filho, ex-jogador do time sub-20 do Corinthians, apontam que não houve violência, de acordo com o Fantástico deste domingo, 24.

Os laudos também mostraram que a jovem não apresentava fraturas. Peritos não encontraram drogas nem bebida alcoólica no sangue da jovem. Também não havia esperma no corpo dela, o que confirma o uso da camisinha durante o ato sexual, como o jogador tinha afirmado. Investigadores aguardam relatórios médicos para saber se a jovem tinha alguma doença.

Lívia morreu após se encontrar com o jogador no apartamento dele, no Tatuapé, zona leste de São Paulo, no final do mês de janeiro. Segundo o depoimento do jogador, os dois tiveram relações sexuais e ela passou a apresentar hemorragia na região genital. A jovem foi levada ao Pronto-Socorro do Tatuapé, mas sofreu paradas cardíacas e não resistiu. O jogador foi ouvido e liberado.

O caso é investigado como morte suspeita causada por "ruptura de fundo de saco de Douglas com extensão à parede vaginal esquerda". A ruptura chegou a cinco centímetros de extensão. Segundo os peritos, a lesão foi causada por um objeto contundente, sem especificação.

A partir dos laudos oficiais da Polícia Científica do Estado de São Paulo, peritos opinaram que não houve violência. "A causa da morte foi uma hemorragia aguda importante com um choque hemorrágico", diz o médico ginecologista Jairo Iavelberg.

"O pênis pode ter levado a essa lesão. O caso dela foi uma fatalidade, aparentemente, pelo que está aparecendo, pela parte anatômica", diz a médica Fabiane Vale.

Logo após o episódio, o advogado de Dimas, Tiago Lenoir, afirmou que o atleta não cometeu qualquer ato ilícito. "Ele conheceu a garota pelo Instagram, vinha falando com ela, e marcaram de se encontrar no fim do dia no apartamento dele. Foi a primeira vez que eles se encontraram pessoalmente. Ali eles tiveram relações sexuais consentidas e com o uso de preservativo. Depois do ato, ele percebeu que ela tinha apagado, desfalecendo."

Segundo o advogado, o jogador não mora mais em São Paulo. Ele estava emprestado ao Corinthians com contrato de dois anos, até o final de 2024. Após a morte da jovem, ele resolveu voltar para o clube onde começou a carreira, o Coimbra Sports, em Contagem (MG).

O defensor critica a demora do atendimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A Prefeitura de São Paulo rebate e afirma que a ambulância chegou à portaria em 11 minutos após receber o chamado e que os profissionais ficaram retidos na portaria, que não estava avisada da ocorrência.

Fonte: Notícias ao Minuto

Postar um comentário

0 Comentários