Milhares de grávidas correm risco na capital do Haiti, diz ONU

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Milhares de grávidas correm risco na capital do Haiti, diz ONU

País vive momento de crise com guerra de gangues

Porto Velho, RO - Cerca de 3.000 mulheres grávidas em Porto Príncipe correm risco de ficar sem acesso a serviços essenciais de saúde se a guerra de gangues que paralisa a capital do Haiti continuar, afirmou nesta sexta-feira a Organização das Nações Unidas (ONU).

Na quinta-feira, o governo do Haiti estendeu o estado de emergência em meio a saques e ataques contra delegacias de polícia. Gangues armadas demandam a queda do primeiro-ministro, Ariel Henry, que está em Porto Rico, aparentemente impossibilitado de retornar ao país e se esforçando para arregimentar apoio internacional.

O Escritório Integrado da ONU no Haiti (Binuh, na sigla em inglês) disse que, se a situação continuar, cerca de 450 mulheres, das 3.000 existentes, correm o risco de complicações obstétricas potencialmente fatais, enquanto mais de 500 sobreviventes de violência sexual podem ficar sem atendimento médico até o final de março.

“A violência sexual contra mulheres e meninas é usada como arma de guerra, intimidação, controle territorial e dominação”, afirmou o Binuh em comunicado, acrescentando que organismos parceiros -- que trabalham para impedir a violência de gênero em campos de desalojados -- cortaram ou interromperam a maior parte dos serviços por questões de segurança.  

Há relatos de que gangues estão realizando estupros coletivos no país, à medida que aumentam seu controle territorial. Muitas vítimas não reportam os ataques, com medo de retaliação, e o apoio a elas é majoritariamente oferecido por associações locais, escassas em recursos.  

O aborto é proibido no Haiti, e hospitais alertam que há escassez de pessoal, leitos e bancos de sangue.  

Fonte: AG/BR

Postar um comentário

0 Comentários