Com bombardeio pesado, militares israelenses atacam norte de Gaza

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Com bombardeio pesado, militares israelenses atacam norte de Gaza

Ataques são considerados os maiores das últimas semanas

Porto Velho, RO - Israel bombardeou o norte da Faixa de Gaza durante a noite, com alguns dos bombardeios mais pesados das últimas semanas. As ações causaram pânico entre os moradores e arrasaram bairros em área da qual o Exército israelense já havia retirado suas tropas.

Os tanques do Exército fizeram nova incursão a leste de Beit Hanoun, no extremo norte de Gaza, embora não tenham entrado muito na cidade, disseram moradores e a mídia do Hamas. Os tiros atingiram algumas escolas, onde famílias deslocadas estavam abrigadas.

Em Israel, onde os escritórios do governo e as empresas estavam fechados para comemorar feriado judaico, os alertas de foguetes soaram nas cidades da fronteira sul, embora não tenha havido registro de vítimas.

O braço armado da Jihad Islâmica, grupo aliado ao Hamas, reivindicou a responsabilidade pelos ataques com foguetes em Sderot e Nir Am. Indicou que os combatentes ainda são capazes de lançá-los após quase 200 dias de guerra que arrasou grandes áreas do enclave e deslocou quase todos os seus 2,3 milhões de habitantes.

Uma espessa fumaça preta podia ser vista subindo no norte de Gaza, procedente da fronteira sul de Israel. Os bombardeios foram intensos a leste de Beit Hanoun e Jabalia e continuaram na manhã desta terça-feira em áreas como Zeitoun, um dos subúrbios mais antigos da Cidade de Gaza, com moradores relatando pelo menos dez ataques em questão de segundos ao longo da estrada principal.

A oeste de Beit Hanoun, em Beit Lahiya, médicos e a mídia do Hamas disseram que os ataques atingiram uma mesquita e uma multidão que se reunia na estrada costeira para receber ajuda lançada do ar. A Reuters não pôde confirmar imediatamente essas informações.

"Foi uma daquelas noites de horror que vivemos no início da guerra. Os bombardeios de tanques e aviões não paravam", disse Um Mohammad, 53 anos, mãe de seis filhos que mora a 700 metros de Zeitoun.

"Tive que me reunir com meus filhos e minhas irmãs, que vieram se abrigar comigo em um só lugar, e rezar por nossas vidas, pois a casa não parava de tremer", afirmou ela à Reuters por meio de um aplicativo de bate-papo.

"Não sei se conseguiremos sobreviver antes que essa guerra acabe", acrescentou.

O Exército israelense disse que os foguetes lançados durante a noite contra Israel vieram de posições de tiro no norte de Gaza. O Exército israelense atingiu lançadores de foguetes e matou vários militantes durante a noite, no que chamou de ataques "direcionados e precisos".

"No último dia, os caças IAF e outras aeronaves atingiram aproximadamente 25 alvos terroristas em toda a Faixa de Gaza, incluindo infraestrutura militar, postos de observação, terroristas e postos de lançamento", informou comunicado.

O novo bombardeio no norte de Gaza ocorre quase quatro meses depois que o Exército israelense anunciou que estava retirando suas tropas de lá, dizendo que o Hamas não controlava mais essas áreas.

Este mês, Israel também retirou a maior parte de suas forças do sul de Gaza. Mas os esforços para chegar a um cessar-fogo fracassaram, e os bombardeios e ataques israelenses no território onde as tropas se retiraram estão dificultando o retorno dos habitantes deslocados às suas casas abandonadas. Israel também atacou Khan Younis, no sul, nesta terça-feira, um dia depois que tanques invadiram partes do leste da cidade.

Israel diz que está tentando erradicar o Hamas, que controla o enclave, após um ataque do grupo militante em 7 de outubro que matou 1.200 pessoas e fez 253 reféns, segundo os cálculos israelenses.

Em toda a Faixa de Gaza, os ataques militares de Israel mataram 32 palestinos e feriram 59 nas últimas 24 horas, segundo as autoridades de saúde. Mais de 34 mil pessoas foram confirmadas como mortas na guerra de sete meses, com milhares de corpos ainda não encontrados.

Fonte: AG/BR

Postar um comentário

0 Comentários