Justiça responsabiliza Irã por atentados contra comunidade judaica na Argentina

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Justiça responsabiliza Irã por atentados contra comunidade judaica na Argentina

Os atentados ocorreram em 1992 e 1994 na embaixada de Israel e na Associação Mutual Israelita Argentina

Porto Velho, RO - A Justiça argentina determinou nesta quinta-feira (11) que os atentados à embaixada de Israel e à Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em 1992 e 1994, respectivamente, foram ordenados pelo Irã, uma decisão considerada histórica pela comunidade judaica, informou a imprensa.

O texto, a cargo da Câmara de Cassação Penal Federal II, também apontou o movimento xiita Hezbollah como autor, declarou o Irã um “Estado terrorista” e chamou o atentado à Amia de crime contra a humanidade, segundo a imprensa.

“O Hezbollah executou uma operação que respondia a um plano político, ideológico, revolucionário e sob o mandato de um governo, de um Estado”, disse à Rádio Con Vos o juiz Carlos Mahiques, referindo-se ao Irã.

A decisão “é histórica, única na Argentina“, ressaltou ao canal LN+ o presidente da Delegação de Associações Israelitas Argentinas, Jorge Knoblovitz. Além disso, “abre a possibilidade de uma ação no Tribunal Penal Internacional, porque ficou claramente estabelecido que o Irã é um Estado terrorista.”

Decisão paralela

A decisão, tomada por três juízes, foi anunciada no âmbito de uma decisão paralela, também tomada hoje, que revisa o caso das irregularidades que ocorreram durante a investigação e que ratifica a absolvição de Carlos Telleldín, primeiro detido pelo atentado à Amia, e as condenações por irregularidades durante a investigação.

A decisão paralela, de 711 páginas, examina o contexto geopolítico de ambos os ataques e determina que a sua motivação, embora não tenha sido a única, respondeu à política externa do então presidente Carlos Menem (1989-1999).

“Teve origem, principalmente, na decisão unilateral do governo – motivada por uma mudança na política externa ocorrida entre 1991 e 1992 – de cancelar três contratos com o Irã de fornecimento de material e tecnologia nuclear”, informa o texto, ao qual a AFP teve acesso.

A Argentina sofreu dois atentados graves, ambos em Buenos Aires: em 1992, contra a sede da embaixada israelense, que causou 29 mortes, e em 1994 contra o prédio da Amia, o pior da história argentina, que deixou 85 mortos.


Uma foto de arquivo datada de 17 de março de 1992, em Buenos Aires, mostra a destruição da embaixada israelense na Argentina após um enorme ataque a bomba.

Em 2006, promotores argentinos acusaram o grupo pró-Irã Hezbollah de ter realizado o atentado contra Amia e funcionários iranianos de terem ordenado o ataque, o que Teerã nega. Não houve detidos nesse caso, e os motivos do atentado ainda não haviam sido esclarecidos.

A investigação judicial aponta que os principais suspeitos do ataque eram membros do governo iraniano, entre eles o ex-presidente Ali Rafsanjani. O caso foi tomado por denúncias de desvio de pistas, condenações por encobrimento e processos anulados.

Um julgamento sobre o atentado à Amia foi concluído em 2019, com penas leves para funcionários da Justiça e do governo do ex-presidente Carlos Menem (1989-1999), declarados culpados de “encobrir” o ataque. O motivo do ocultamento de provas e do desvio das investigações não foi determinado.

A comunidade judaica da Argentina é a maior da América Latina e reúne cerca de 300 mil pessoas.

Fonte: Carta Capital

Postar um comentário

0 Comentários