Oriente Médio fica em alerta para ataque iraniano

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Oriente Médio fica em alerta para ataque iraniano

Empresa aérea suspende voos para Teerã

Porto Velho, RO - A companhia aérea alemã Lufthansa prorrogou nesta quinta-feira (11) a suspensão de seus voos para Teerã devido à situação no Oriente Médio. A região está em alerta para uma retaliação iraniana por um suposto ataque aéreo israelense à embaixada do Irã na Síria.

Uma agência de notícias iraniana publicou reportagem em árabe na plataforma de mídia social X dizendo que todo o espaço aéreo sobre Teerã havia sido fechado para exercícios militares. Depois removeu a reportagem e negou ter divulgado a notícia.

A região e os Estados Unidos estão em alerta para um ataque retaliatório do Irã desde 1º de abril, quando supostos aviões de guerra israelenses bombardearam o complexo da embaixada iraniana na Síria.

A Lufthansa disse que suspendeu os voos de e para Teerã até provavelmente 13 de abril, estendendo a suspensão por dois dias.

Um porta-voz afirmou que a empresa havia decidido não operar um voo de Frankfurt para Teerã no último fim de semana, para evitar que a tripulação tivesse que desembarcar e passar a noite em Teerã.

A Lufthansa e sua subsidiária Austrian Airlines são as duas únicas companhias aéreas ocidentais que voam para Teerã, que é servida principalmente por companhias da Turquia e do Oriente Médio.

A Austrian Airlines, que é de propriedade da Lufthansa e voa de Viena para Teerã seis vezes por semana, informou que ainda planejava voar nesta quinta-feira, mas estava ajustando os horários para evitar uma parada durante a noite.

Não houve resposta imediata de outras companhias aéreas internacionais que voam para Teerã. O espaço aéreo iraniano também é rota importante para os voos da Emirates e da Catar Airways para a América do Norte.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, afirmou que Israel "precisa ser punido e será" pelo ataque, que matou sete membros da Guarda Revolucionária Iraniana, entre eles um comandante sênior de sua unidade de elite no exterior, a Força Quds.

Israel, que iniciou uma guerra na Faixa de Gaza há seis meses contra o Hamas, apoiado pelo Irã, não confirmou que estava por trás do ataque a Damasco, mas o Pentágono disse que sim.

Em aparente resposta a Khamenei, o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou que seu país responderia se o Irã o atacasse a partir de seu próprio solo.

Fonte: AG/BR

Postar um comentário

0 Comentários