Rússia diz que Ucrânia atacou reator desligado em usina nuclear

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Rússia diz que Ucrânia atacou reator desligado em usina nuclear

Governo ucraniano não se manifestou

Porto Velho, RO - A Ucrânia atingiu a cúpula acima de um reator desligado na usina nuclear de Zaporizhzhia, controlada pela Rússia, neste domingo, embora os níveis de radiação estivessem normais e não houvesse danos graves, disse a administração da usina instalada pela Rússia.

Não ficou imediatamente claro que arma foi usada contra a central nuclear, que foi tomada pelas forças russas pouco depois da invasão em grande escala da Ucrânia em 2022. A central disse anteriormente que tinha sido atacada por drones ucranianos.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que tem especialistas no local, relatou ter sido informada pela central russa de que um drone tinha detonado no local e que a informação era “consistente” com as observações da AIEA.

O diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, disse que ambos os lados deveriam abster-se de ações que “colocassem em risco a segurança nuclear”.

A usina nuclear tem seis reatores VVER-1000 V-320 de design soviético refrigerados a água e moderados a água contendo urânio 235 e também tem gastado combustível nuclear na instalação.

Os reatores números 1, 2, 5 e 6 estão em desligamento a frio, enquanto o reator número 3 está desligado para reparos e o reator número 4 está no chamado “desligamento a quente”, de acordo com a planta.

A fábrica, que é a maior da Europa, disse que as forças armadas ucranianas “atacaram a cúpula” do edifício que abriga o reator número 6. “Os níveis de radiação na usina e nos arredores não mudaram”.

A Reuters não conseguiu verificar imediatamente os relatos do campo de batalha de nenhum dos lados. A Ucrânia não comentou imediatamente a situação.

A central permanece perto das linhas da frente e tanto a Ucrânia como a Rússia acusaram-se repetidamente de atacar a central e, assim, arriscar um possível desastre nuclear.

Grossi, da AIEA, alertou repetidamente sobre graves preocupações sobre a usina devido a repetidos ataques.

Fonte: AG/BR

Postar um comentário

0 Comentários