“Japa do PCC” movimentou R$ 35 milhões e mantinha vida de luxo

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

“Japa do PCC” movimentou R$ 35 milhões e mantinha vida de luxo

 

Acusada de lavar dinheiro da facção, Japa do PCC é dona de mansão, costumava fazer viagens internacionais e está em prisão domiciliar

Porto Velho, RO - O Ministério Público de São Paulo (MPSP) afirma que Karen de Moura Tanaka Mori, a Japa, de 37 anos, movimentou R$ 35 milhões após a morte do marido, o ex-líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) Wagner Ferreira da Silva, o Cabelo Duro, que foi executado em 2018.

Com patrimônio milionário e rotina marcada por viagens internacionais, a Japa do PCC é suspeita de herdar “bens escondidos” do marido e liderar esquema de lavagem de dinheiro de negócios da facção em Santos, Cubatão e Guarujá, no litoral paulista, e na cidade de São Paulo. Ela alega inocência.

A investigada chegou a ser presa preventivamente durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão no seu apartamento no Jardim Anália Franco, bairro de rico na zona leste da capital paulista, no dia 8 de fevereiro. Duas semanas depois, ela recebeu autorização para ficar em prisão domiciliar, com uso de tornozeleira.

No apartamento os agentes encontraram duas malas com R$ 1.039.600, em espécie, e cerca de 50 mil dólares (R$ 250 mil). Também apreenderam documentos, o celular dela, um Iphone 14, e um Audi Q3, que estava na garagem do prédio, mas é registrado no nome da sua tia.

Vida de luxo

Na operação, os agentes vasculharam outra mansão que é atribuída a Japa do PCC (veja acima) na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, no litoral paulista, com varanda, piscina e churrasqueira.

Em depoimento à polícia, a investigada alegou ser uma empresária de sucesso e confirmou que costumava fazer mais de uma viagem internacional por ano. Os destinos preferidos eram Cancún, no México, os Estados Unidos e a Argentina.

Já o terceiro endereço alvo dos policiais é relacionado à KK Participações, empresa que abriu com o irmão, na Vila Nova Conceição, na zona sul da capital.

De acordo com o MPSP, o negócio foi aberto logo após a execução de Cabelo Duro, morto a tiros de fuzil na frente de um hotel na zona leste, em fevereiro de 2018. O casal costumava se hospedar em um flat de lá.

Lavagem do PCC

Em manifestação na Justiça paulista, o MPSP afirma que a Japa do PCC passou a administrar os bens de Cabelo Duro e abriu a empresa para ocultar os valores adquiridos com o crime.

“Houve o aumento patrimonial de Karen a partir de bens ‘escondidos’ de Cabelo Duro”, diz o MPSP, no documento.

Ela também teria passado a prestar serviço a outros integrantes da facção criminosa. Segundo o MPSP, ela e o irmão movimentaram R$ 35 milhões após a abertura da KK Participações . O pai dela também é suspeito de participar do esquema.

“Há informação de que Karen continua atuando e tem grande prestígio junto ao PCC, administrando os bens com ajuda de outros indivíduos que nela tem confiança para as operações”.
Interrogatório

Na delegacia, a Japa do PCC negou que o seu patrimônio tenha sido adquirido com dinheiro do crime. Ela também alegou que “nunca recebeu qualquer quantia” do marido e disse que Cabelo Duro teria morrido “sem deixar quaisquer bens e dinheiro”.

A investigada, que é formada em enfermagem, disse que juntou dinheiro de 2008 a 2015 para abrir seus próprios negócios no ramo de estética. Segundo depôs, enriqueceu ao ter “inúmeras empresas que abria, trabalhava, se tornava bem sucedida e vendia para terceiros”.

Para justificar a fortuna encontrada pelos policiais, afirmou não ter depositado o dinheiro no banco porque “ temia que as autoridades a ligassem exatamente ao crime organizado e aos fatos ilícitos que a imprensa noticiava do seu marido”.

Já o Audi Q3 teria sido registrado no nome da tia por “não desejar que as pontuações de possíveis infrações de trânsito fossem cadastradas em seu nome”.

Fonte: Metropoles

Postar um comentário

0 Comentários