Apocalipse e ira dos deuses: veja 5 mitos e medos sobre o eclipse total solar desta segunda-feira (8)

Editors Choice

3/recent/post-list

Geral

3/GERAL/post-list

Mundo

3/Mundo/post-list
SEMPRE NO AR

Apocalipse e ira dos deuses: veja 5 mitos e medos sobre o eclipse total solar desta segunda-feira (8)

O eclipse solar de 8 de abril de 2024 será a última oportunidade de ver um eclipse solar total na América do Norte durante mais 20 anos

Porto Velho, RO - Os países, estados e cidades da América do Norte estão se preparando para um fluxo de pessoas que vão visitar o caminho da sombra lunar ou "umbra" e esse fascínio não é novo. Os eclipses aparecem em registos históricos e na mitologia que remontam a muitos séculos atrás.

O mais antigo registo de um eclipse solar data de cerca de 1200 a.C., quando escribas chineses registaram eclipses em ossos de boi e carapaças de tartaruga. Mas pode haver um registo ainda mais antigo em uma série de petróglifos circulares e em forma de espiral encontrados na Irlanda, datados de 3340 a.C.

Foram encontrados registos de eclipses em petróglifos feitos pelos primeiros povos mesoamericanos, bem como pelos maias, que mantinham registos extensos de acontecimentos astronómicos. Os textos religiosos também mencionam eclipses, incluindo a Bíblia e o Alcorão, e relacionam-nos com acontecimentos importantes.

Há mesmo relatos bíblicos que descrevem uma lua vermelha após a crucificação de Jesus que parece representar um eclipse lunar e, no Corão, diz-se que ocorreu um eclipse solar antes do nascimento de Maomé.

Fatalidade ou destruição

Embora os povos antigos possam não ter compreendido a ciência por detrás dos eclipses como nós compreendemos atualmente, muitas explicações foram dadas em mitos.

Os gregos antigos, por exemplo, viam um eclipse solar como um sinal de que os deuses estavam zangados com o rei pelas suas ações para com o povo.

Muitas das culturas tinham lendas relacionadas com o desaparecimento, descrevendo uma divindade ou outra entidade que engolia o Sol para explicar a escuridão súbita.

Uma coisa que muitos destes mitos têm em comum é a reação, incitando as pessoas que assistem ao eclipse tocando tambores, batendo tachos e panelas e fazendo uma grande agitação para afugentar a entidade que tenta engolir a luz.
Um bocado de Sol

No antigo Egito, dizia-se que a serpente Apep, um espírito do mal e do caos, engolia o deus sol Rá, exigindo que um exército de outras divindades lutasse contra Apep e o abrisse para libertar Rá e impedir que o mundo se afundasse na escuridão.

Os vikings acreditavam que estava ocorrendo um eclipse quando o lobo Skoll, que persegue a deusa do Sol pelo céu, finalmente a alcança. Se Skoll conseguisse engolir Sol e mergulhar o mundo na escuridão, seria o início do Ragnarok, uma batalha entre os deuses e o fim do mundo.O Deus Balam (jaguar) a "comer" o Sol. Fonte: excelsior.

Na mitologia hindu, temos a batalha entre Surya, o Sol, e o semideus Rahu, que está a tentar ganhar a imortalidade. Em uma versão do mito, Rahu é decapitado pelos seus esforços e a sua cabeça continua a assombrar Surya, tentando devorá-lo.

Na China antiga, os mitos falavam de um dragão que engolia o Sol, enquanto os mitos sul-americanos dizem que era um leopardo. No Vietname, é um sapo gigante que engole o Sol e, na Coreia, uma matilha de cães.

Uma visão de reconciliação

Nem todas as explicações para o eclipse são tão negativas. As tribos Tlingit da América do Norte acreditavam que o Sol e a Lua estavam tendo mais filhos, uma referência às estrelas e planetas que aparecem visíveis durante o eclipse mas que não podem ser vistos de outra forma.

Em África, o povo de Battammaliba viu um eclipse em que o Sol e a Lua lutaram e tomou-o como um sinal para pôr de lado os rancores e acabar com as inimizades.
Eclipse solar total em 8 de abril: quão rápido a sombra da Lua viajará?

Para os Inuit, o Sol e a Lua eram irmãos que lutavam entre si. Um eclipse significava que a Lua, Annigan, tinha apanhado Malina, o Sol. No Suriname, os Kalina também acreditam que são irmãos em luta e que um eclipse significa que a luta se tornou violenta e que um derruba o outro.

Na mitologia alemã, o Sol e a Lua estão casados e um eclipse é o momento em que o casal se une. Os taitianos têm um mito semelhante, que fala de amantes que se perdem um do outro no momento da escuridão.

Superstições modernas

Embora os mitos antigos tentassem explicar os eclipses sem os mesmos conhecimentos científicos de que dispomos hoje, ainda existem superstições em torno do fenômeno.

A superstição moderna em torno dos eclipses inclui a ideia de que as mulheres grávidas não devem olhar para um eclipse, que os alimentos não devem ser preparados durante um eclipse ou que não é seguro estar ao ar livre.

É claro que, mesmo com o conhecimento científico, há quem continue a ver um eclipse como um sinal do fim dos tempos, incluindo aqueles que acreditam que levará a um colapso global, e não faltam aqueles que pensam que levará ao colapso de uma simulação em que todos vivemos.

No entanto, um mito sobre o eclipse permanece verdadeiro: não olhe diretamente para o Sol para ver o eclipse ou arrisca-se a danificar os seus olhos. Não se esqueça de usar óculos de eclipse certificados e de seguir as instruções dos especialistas.

Fonte: Meteqred

Postar um comentário

0 Comentários